FELICIDADE NO TRABALHO É POSSÍVEL E ESTÁ ASSOCIADA À QUALIDADE DE VIDA

Segundo artigo publicado no site www.administradores.com.br, a felicidade no ambiente de trabalho é possível, desde que o indivíduo alie ao campo profissional outras áreas da vida, como a familiar, a financeira e a afetiva. É preciso que haja um equilíbrio de todos esses elementos, e que, apesar dos problemas (que são inevitáveis), seja possível priorizar a qualidade de vida e o bem-estar do profissional e da empresa, pois, em alguns casos, o motivo da infelicidade pode não estar relacionado ao trabalho, e sim, à outra esfera da vida.

Em um ritmo de trabalho acelerado como o atual, é comum se deparar com riscos, problemas, erros e forte pressão no ambiente de trabalho. No entanto, esses fatores não podem ser considerados motivos da infelicidade no trabalho, afinal, eles estarão presentes em qualquer empresa ou em qualquer profissão. Por isso, é preciso saber lidar com essas pequenas pedras do dia-a-dia.

Fazer o que gosta, ter desafios constantes e reconhecimento por parte dos colegas e líderes são fatores que podem ajudar na busca da felicidade no ambiente de trabalho, apesar de que isso é muito particular de cada um.

O mais importante é que o profissional entenda que a felicidade não está no trabalho em si, mas sim, na maneira como ele equilibra todos os campos de sua vida.

 

Referência: http://www.administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/felicidade-no-trabalho-e-possivel-e-esta-associada-a-qualidade-de-vida/43598/
Site da imagem: qualidadevidanotrabalho.wordpress.com

 

Buscando a felicidade não só no trabalho, mas em todas as áreas da sua vida?

Participe da palestra especial

Seja feliz mesmo não sendo em Paris

 

Nós, da Oficina Corporativa, criamos um programa visando o lado emocional dos participantes, buscando o que há de positivo dentro de cada um e trabalhando de maneira sensata e inteligente para que esse interior seja melhor aproveitado na vida pessoal e profissional, mostrando a importância da empresa que existe dentro de cada um.

Acesse nosso site e confira!

http://www.oficinacorporativa.wordpress.com

 

Anúncios

Liderança Questionada

Em estudo, especialista lista os 5 comportamentos intoleráveis no líder contemporâneo.


Muito se fala sobre o perfil do líder moderno. Ser carismático, motivar colaboradores, saber ouvir e dar feedback, por exemplo, são (ou deveriam ser) características fundamentais para quem está à frente de um grupo ou projeto. Mas quais são as principais deficiências da liderança? Para responder a essa pergunta, o especialista no assunto Alexandre Prates realizou um estudo chamado “O Mundo Corporativo do Futuro”, que deu origem ao livro “A Reinvenção do Profissional”.
Com as entrevistas feitas com 50 profissionais, entre empresários, líderes, executivos e especialistas de mercado e desenvolvimento humano, envolvendo 15 estados brasileiros, Alexandre Prates conseguiu levantar os cinco comportamentos intoleráveis no líder contemporâneo: morosidade, dificuldade para construir relacionamentos, falta de comprometimento com resultados, pensar pequeno e arrogância.

“Apesar de não ser muito agradável, o tema desse estudo é fundamental para uma análise crítica da liderança nas empresas e também para uma autoavaliação dos comportamentos de cada um como líder”, afirma o especialista.

* Morosidade

Alexandre Prates lembra que o ritmo acelerado do mercado e das organizações atualmente torna obrigatório, por exemplo, que o líder aja com a velocidade necessária para direcionar a organização rumo às mudanças. “A morosidade está totalmente ligada à falta de preparo cultural do líder. E quando eu digo cultura, refiro-me à capacidade de buscar novas informações, de não contentar-se apenas com as informações locais e buscar novas fontes de informação. Quanto mais informações eu possuo, maior é a minha capacidade de tomada de decisão”, explica.

* Dificuldade para construir relacionamentos

Com relação a esse aspecto, o autor do estudo diz que o líder tem um papel fundamental na construção de locais agradáveis, nos quais as pessoas sintam-se bem para produzir cada vez mais. “Ambientes saudáveis são propícios para a construção de relacionamentos saudáveis. E quando você tem um ambiente no qual as pessoas queiram estar, provavelmente é lá que elas se sentirão motivadas a permanecer e prosperar.”

* Falta de comprometimento com resultados

“O líder contemporâneo precisa pensar em resultados, seja na sua atuação no campo, na liderança de sua equipe, enfim, o mundo corporativo sempre terá espaço para quem quiser realizar e fazer acontecer. Naturalmente, descartará a passividade e o conformismo”, afirma Alexandre Prates.

* Pensar pequeno

A equipe é a cara do líder. Conscientes disso, as empresas querem líderes que pensem grande, que sonhem, que ousem, que inovem, que façam as pessoas sonharem. “Um líder com desejo de ir além constrói equipes que lutam por um propósito. Pensar grande é focar no presente, com o olhar para um propósito maior.”

* Arrogância

Trata-se do primeiro passo para a queda profissional. “É insuportável conviver com pessoas arrogantes em qualquer cenário da vida, principalmente no mundo corporativo. A arrogância destrói a capacidade de aprendizagem do ser humano, pois cria barreiras muitas vezes instransponíveis, geradas pela crença de que tudo sei. É ai que mora o perigo!”, alerta Alexandre Prates.

Fonte: http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/noticias/lideranca-questionada.shtm?&utm_source=EMP_BOL&utm_medium=BOL_CARR&utm_content=BOL_CARR_3_170311&utm_campaign=BOL_CARR_3_170311
Site da imagem: alexandre-silva.com

O Vendedor de Cachorro-Quente

Era uma vez um homem que vivia na beira de uma estrada e que vendia cachorro- quente.

Ele não ouvia bem, então não tinha rádio.

Ele tinha problemas com os seus olhos, então não lia jornais.

Mas ele vendia bons cachorros-quentes.

Colocava cartazes pela estrada, oferecia seu produto em voz alta, e o povo comprava.

Lentamente foi aumentando as vendas, e também, cada vez mais aumentava a compra de salsichas e pão.

E também comprou um fogão maior para atender os fregueses e o negócio prosperava. Conseguiu dar boa escola ao filho.

Finalmente, o filho formado, voltou para a casa para ajudar o pai. Mas uma coisa aconteceu.

O filho falou para o pai.

– Pai, então você não ouve rádio? Você não lê jornais? Há uma grande crise no mundo e a situação aqui no país é ainda pior. Tudo está indo para o vinagre!

E o pai pensou:

“Bem, o meu filho estudou, lê jornais, ouve rádio, e só pode estar com a razão.”

O pai foi diminuindo a compra de salsicha e pão. Tirou os cartazes de propaganda.

Já não forçava as vendas em voz alta, abatido pelas notícias da crise.

As vendas foram caindo. Depois de um tempo, o pai falou para o filho:

– Você estava certo meu filho, nós estamos no meio de uma grande crise…

 

Moral da história

Se você acredita que algo pode dar certo, com esforço e perseverança certamente dará.

Agora, se você se deixa influenciar por maus pensamentos e acredita neles, é óbvio que a probabilidade de tudo dar errado é infinitamente maior.

Acredite na sua capacidade.

Crie um padrão de pensamento positivo e siga em frente, sempre!

Fonte: http://www.institutoueda.com.br

 

7 competências fundamentais na carreira

Segundo matéria publicada no site Empregos.com.br, atualmente, não são somente pré-requisitos técnicos que estão sendo exigidos pelas empresas na hora de recrutar pessoas.

Liderança, trabalho em equipe e atitude são habilidades muito valorizadas hoje em um profissional no mercado de trabalho.

O sócio-diretor da DRH Talent Search, Carlos Bitinas, e a professora de MBA da Brazilian Business School, Irene Azevedo, falam sobre elas.

1. Visão de negócio
É preciso “ver além da mesa”, diz Carlos Bitinas. “À medida que o profissional cresce em sua área de atuação precisa adquirir visão de negócio, ou seja, enxergar o funcionamento do seu departamento, o cliente, a empresa, o mercado”. Quem quer subir degraus na carreira também precisa ter esta competência, afirma Bitinas.

2. Trabalho em equipe
Atividades em grupo requerem aptidão para lidar com gente, que possuem personalidades e modos diferentes de trabalhar. O desafio aqui é alcançar os resultados em grupo, administrando as diferenças, sendo flexível.

3. Liderança
“Existe técnica para liderar”, afirma Bitinas. “Aqui entra o ingrediente que é o poder de influenciar a relação entre as pessoas, ou seja, conduzir pessoas ou projetos em direção a um objetivo.”

4. Autoconhecimento
O bom profissional deve ter consciência de suas habilidades e pontos frágeis. Segundo Bitinas, é preciso descobrir quais são suas fontes de motivação. O nível de excelência no trabalho depende disso, afirma o sócio-diretor da DRH Talent Search.

5. Atitude (o “a” do CHA)
O profissional completo reúne o que se chama de CHA (conhecimentos, habilidades, atitude). Para Irene Azevedo, da BBS, o “a” do CHA, ou seja, a atitude, é uma das principais competências exigidas do profissional hoje.

6. Voltado a resultados
Ninguém sobrevive no mercado de trabalho sem entregar resultados. Salvo os profissionais privilegiados, esta entrega se dá em curto prazo. “Vale para todas as posições. Quem está no início de carreira não deve deixar de pensar nisso”, diz Bitinas.

7. Resiliência; adaptabilidade
Irene diz que é preciso resiliência para suportar as pressões do mercado de trabalho. É necessário ainda adaptar-se à cultura e aos mecanismos de funcionamento de sua área para sobreviver no mundo corporativo, aponta a professora da BBS.

(Fonte: www.empregos.com.br – acessado em 02/03/11)

(Site da imagem: cidadesaopaulo.olx.com.br)

Cinco dicas para motivar seus funcionários

Qualquer gestor sabe  da importância de  manter seus funcionários  motivados . A motivação é essencial para um melhor desempenho no trabalho, aumenta a produtividade do grupo e mantém um ambiente agradável no  escritório. E como fazer o funcionário se engajar mais? Arevista Inc. compilou algumas dicas para mostrar que motivar um empregado vai muito além de aumentar o salário.

1. Dê o exemplo

Sua atitude é contagiante, lembra a revista. Um dos entrevistados, Kevin Plank, presidente de uma indústria têxtil, afirmou que a chave para motivar os funcionários em sua companhia é a comunicação. “Ouço as opiniões de todos e, invariavelmente, eles falam coisas que eu não pensei. Os empregados se engajam mais quando se sentem necessários, apreciados e valorizados”, disse.

2. Certifique-se que o funcionário compartilhe o sucesso da companhia

Desempenho, motivação e produtividade estão intimamente ligados a como o funcionário se sente na  empresa . Essa é a importância de dar aos funcionários participação nos lucros. É como se isso reforçasse a mensagem: “estamos nisso juntos, e todos estão focados em tornar o negócio mais rentável”.

3. Crie uma cultura de autonomia

O autor Daniel H. Pink, em seu livro Drive: The Surprising Truth About What Motivates Us (“Motivação: a verdade surpreendente sobre o que realmente nos motiva”, em tradução livre), afirmou que a quebra da bolsa de Wall Street é uma prova do perigo de motivar os funcionários estritamente através do dinheiro. Ele aconselha a dar mais autonomia aos funcionários sobre o que fazer e com quem. Fazer o que gosta possibilita ao empregado achar alegria no trabalho por si só, e leva a um desejo de superação – o funcionário vai querer fazer mais e melhor.

4. Encoraje reclamações

A fabricante de computadores Dell criou um clube online de anti-fãs: era ali que os computadores eram criticados. Além de receber as críticas, a empresa melhorava seus produtos com elas. E por que não fazer isso com os funcionários? As principais razões de os empregados não criticarem a gestão ou a cultura de um negócio são o medo de retaliação e a possibilidade de parecer ingrato. Mas cabe ao gestor criar um ambiente em que os funcionários se sintam livres para criticar e, portanto, participar ativamente da empresa.

5. Trabalho voluntário é motivador

No auge da recessão, a agência de publicidade Door Number 3 diminuiu seu ritmo de atividades. Por isso, os funcionários ocasionalmente ficavam ociosos. Então, a presidente da companhia, M. P. Mueller, decidiu se voltar para projetos sociais. Além de ajudar a construir um portfólio para a empresa, o trabalho mantinha os funcionários ativos e afiados.  Muitas vezes, ao ajudar  uma organização social necessitada,   é  quando os funcionários fazem seu trabalho mais inspirado. “Você tem muito mais liberdade quando seu cliente é um projeto social”, diz a presidente.

(Fonte: www.papodeempreendedor.com.br – acessado em 28/02/11)

(Site da imagem: downloads.open4group.com)

CERTIFICADOS – CURSOS DE FÉRIAS UnG 2014

 

A todos que participaram dos cursos de férias ministrados pelo Prof. Cássio Ferraz na Universidade Guarulhos nos meses de julho/14, atenção!!

Para retirar os certificados on-line basta acessar o link abaixo e informar o nº do CPF do participante:

http://www.ung.br 

Agradecemos a participação de todos e até a próxima!

Prof. Cássio Ferraz